07/08/2013

Oi, este será um post bem especial, mas enormemente longo, então só recomendo ler quem estiver realmente com muita vontade rsrsrs pois será uma "recapitulação" de mais de um ano da minha vida, desde a última postagem que fiz neste blog, dia 29/06/2012 (http://lerosecassee.blogspot.com.br/2012/06/290612.html) (e lembrando também que neste post não tem nada relacionado a ana/mia e dietas, é mais sobre relacionamentos, amor, sexo, com alguma coisa sobre minha saída da casa dos meus pais, trabalho, estudos e uso de drogas.

Depois daquele dia acabei fazendo uma viagem inesperada com meu pai para SC, para visitar uma parte da família. Até metade da viagem continuava focada na dieta, mas depois acabei me perdendo totalmente... Na época eu estava namorando o RCR*, mas lá acabei encontrando uma prima que eu não via há uns 4 anos, vou chamá-la de PAT*. Pensei que com todo esse tempo seríamos como duas estranhas, mas mal nos encontramos e já não calávamos a boca um minuto. Uma das minhas preocupações era dizer a ela que eu sou bi, mas acabou que ela me contou antes que tinha feito um ménage com o namorado e uma outra menina e gostado... Enfim, passei uns três dias colada com ela, e consequentemente, com o namorado dela também (na verdade eles moram juntos e tal). Acabou que eu tava me sentindo uma "terceirinha" da relação ao fim destes três dias, mas era uma sensação tão boa, tão familiar e aconchegante. (Já faz um tempo que eu tenho vontade de namorar um cara e uma menina ao mesmo tempo, que se namorem também) e ela acabou me convidando pra fazer um ménage com eles, mas eu não aceitei pois estava namorando e talz. Apesar de ser a favor da poligamia e relacionamentos livres, sou contra a traição. Entretanto, ao voltar para cá, acabei terminando com o RCR*, foi bem difícil, choramos muito e eu sabia que sentiria falta dele, mas o nosso relacionamento tinha caído numa rotina e eu já tinha perdido totalmente meu apetite sexual (como sempre acontece comigo em todos os meus relacionamentos monogâmicos de mais de dois meses de duração).

Depois disso acabei me aproximando de um cara, que vou chamar de RUB*, e sabia que ele tinha interesse em mim. Ficamos muito amigos e acabamos ficando, mas desde o início eu deixara bem claro que não queria me prender. Apesar disso, não fiquei com nenhuma outra pessoa enquanto estava com ele. Ele, ao contrário, queria algo sério, mas numa noite em que eu tinha um compromisso com uns amigos que ele não conhecia, ele foi a uma festa e acabou ficando com outra menina. Ele me contou e eu fiquei de boa. Mas notei que o interesse nela ía crescendo e ele começou a ficar em conflito porque ela, ao contrário de mim, queria um namoro sério. Fiquei meio com raiva por ele ficar em dúvida porque eu no fundo acho meio estúpido largar mão de alguém que te deixa livre pra ficar com outras pessoas pra ficar com alguém que vai te aprisionar. Mesmo assim, eu também entendia o lado dele de querer mais estabilidade e acabei me afastando pra deixá-los à vontade. Um ponto que preciso comentar dessa época, é que nós dois usamos pela primeira vez, juntos, maconha. Eu tive uma viagem muito boa, tipo uma coisa meio religiosa, de conexão com o Universo, com o Todo, foi bem hippie mesmo, apesar de que também tive umas noias, mas no fim não parava de rir... (eu gravei tudo em áudio e tenho até hoje, apesar de nunca ter tido paciência para ouvir hahaha). Bem, hoje o RUB* e a garota da festa estão namorando há um bom tempo e eu nunca mais falei com ele, exceto duas vezes em que nos encontramos por acaso, e em uma delas ele estava com ela e ela quase me comeu com os olhos, como se eu quisesse roubá-lo dela, o que eu achei ridículo, pois na verdade eu "cheguei primeiro" e além de tê-lo deixado livre pra ter ficado com ela, ainda por cima me afastei pra não atrapalhar o relacionamento deles...

Aí conheci um cara de SP pela internet, que vou chamar de JOH*, ele veio me conhecer e passou quatro dias comigo num hotel. Eu fiquei desesperadamente apaixonada, a ponto de cogitar me mudar pra ir morar perto dele. Mas como antes de ele vir eu já tinha dito que não queria nada sério, depois de ele ir embora ele ficava jogando isso na minha cara: "Eu sei como você é", ele dizia, e postava coisas sobre outras garotas no Facebook. O que me consumia não era o ciúmes por saber que ele tinha outras, mas o medo de que uma delas quisesse namorar e então eu nunca mais pudesse vê-lo, como já havia acontecido com o RUB* e eu estava certa, foi exatamente o que aconteceu... 

Depois disso, fiquei com um cara chamado GEN*, que eu conheci através do meu terceiro namorado, o ALV* e desde aquela época eu me sentia atraída por ele. O cara é tudo de bom: Lindo, inteligente, faz psicologia, gosta de RPG e ainda por cima estuda ocultismo. Mas não passou de uma noite e eu até pouco tempo não sabia exatamente o por quê, mas voltaremos a isto depois.

Por esta altura do campeonato, minha prima PAT* e seu namorado vieram me visitar, mas eu não fiz o ménage com eles sob o pretexto de que não teria como, pois meus pais dormiam no quarto ao lado e a casa é de madeira. No fim das contas eu percebi que o que me agradava era a sensação aconchegante de namoro, mas uma atração sexual real não existia ali. Quando eles me visitaram, fomos a um evento e lá eu vi o RCR*, meu ex-namorado com quem eu estava quando fui visitá-la, e me bateu uma saudade absurda dele. À noite, quando fui dormir (na cama de minha irmã, pois a minha de casal eu cedi a eles), notei que estava sem a coelhinha de pelúcia que ele me dera de páscoa e fui ao meu quarto procurar, mas não encontrei. Revirei a casa e nada, me deu um desespero tão grande que comecei a chorar, uma porque durmo sempre com essa coelhinha e duas porque estava louca de saudades. Irônico, não? No fim das contas, minha mãe tinha colocado ela no cesto de roupas sujas sem querer junto com meus lençóis quando foi trocar a roupa de cama pra arrumar pra minha prima e seu namorado.
Depois disso eu e o RCR* tivemos uma "recaída" e eu passei uns 5 dias direto na casa dele, foi maravilhoso, como voltar no tempo, mas foi apenas uma intersecção e acabou por aí.

Aí, eu conheci um cara que vou chamar de IVA*, que também é lindo, inteligente, curte RPG e estuda ocultismo. Só que esse tinha um "problema" (para mim) bem grave: É gay. Apesar disso ele acabou ficando comigo, acho que no calor do momento e eu me apaixonei afú. Eu queria sempre sair com ele os amigos dele, que se tornaram meus amigos muito rápido e saíamos sempre juntos e esse foi um dos motivos de eu ter saído da casa dos meus pais. Eu queria vir pra capital pra poder sair mais com eles. Consegui ficar com o IVA* duas vezes e numa delas nós transamos e foi realmente muito bom. Mais pegada que muito "hetero" por aí. Vai ter gente que vai dizer que ele se fez de gay como estratégia, mas somos amigos e eu sei que não, porque já vi ele ficando com vários caras e eu fui a única guria. Ele disse que não sentia atração por mulheres há cerca de seis anos, mas que eu tinha algo de "diferente". Nesta época eu já tinha usado maconha mais algumas vezes com outras pessoas, mas foi com o IVA* e nossos amigos que acabei usando pó pela primeira vez. Se tem alguém lendo isso, preste atenção: Se você tiver oportunidade de usar cocaína, recuse. Vicia muito rápido e já te dá abstinência depois da primeira vez que você usa. Eu acabei usando mais algumas vezes até que comecei a me preocupar em estar me viciando realmente.

Um dos nossos amigos em comum me apresentou uma menina que vou chamar de MAT* e nós acabamos ficando em uma destas festas. Depois fomos ficando e ficando, mas sempre foi nada sério, porque depois de um tempo ficando com ela eu descobri que ela tinha uma namorada no RJ, a princípio eu tomei um choque, mas me disseram que a guria não dava a mínima bola pra ela, então eu achei que não tinha problema... A MAT* partilha desse meu pensamento de liberdade nos relacionamentos e tal...

Nessa época eu estava cismada em sair de casa, consegui um emprego em Telemarketing, com um salário bem miserável e saí. 12 dias depois eu já não aguentava mais o sofrimento de tentar vender provedores de internet enganando pessoas de idade e caipiras. Aí a MAT* disse que podia facilmente me conseguir uma vaga onde ela trabalhava e foi o que fez. Em seguida ela se mudou para o RJ para ficar com a namorada de vez e hoje a gente quase nem se fala. Acabei me envolvendo tanto nesse novo trabalho que fazia turnos dobrados direto e terminei por trancar o semestre por medo de não aceitar as "dobras" e me demitirem. Mas um ponto foi positivo: Devido à falta de tempo pra sair com meus amigos acabei não usando mais pó. Além disso, agora que consegui finalmente voltar para a facul, eu dou muito mais valor aos meus estudos, porque percebi o quanto isso é importante para mim... Quando eu morava com meus pais era tudo tão fácil e sabe aquela coisa de "Só dar valor depois que perde..."? Pois é, bem por aí...

Nesse meio tempo houveram mais duas pessoas relevantes que preciso mencionar: O GAB*, que é meu amigo há mais ou menos uns quatro anos e eu realmente amo muito, mas nós nunca ficamos, porque ele nunca me trovou descaradamente e porque eu sempre tive medo de acontecer com ele o que aconteceu com o LUG*: Passamos de melhor amigos a amigos-coloridos, então a namorados , aí eu enjoei do sexo, como sempre, terminei o namoro e perdi meu melhor amigo LUG* pra sempre, o que me doi até hoje... E eu sei que ele não aceita esse meu jeito de ser, de enjoar das pessoas e de não conseguir sustentar relacionamentos monogâmicos por muito tempo. Mas um dia ele veio com uma conversa de que de repente dava certo e acabamos ficando. Só não transamos porque ele é alégico a látex e eu nunca tomei anticoncepcionais. Depois daquilo eu sempre queria ir ver ele, mas ele ficou me enrolando e até hoje eu não sei direito o que aconteceu, acho que ele se arrependeu de ter ficado comigo, sei lá. Fiquei um bom tempo sem falar com ele, pois estava muito magoada...

A outra pessoa vou chamar de LPC* e esse foi um cara que eu conheci pela internet também, só que quando eu tinha TREZE anos e ele DOZE, pasmem e nós nunca deixamos de nos falar totalmente. Aí ele veio para cá com um pessoal da faculdade para o Fórum Social Mundial (ele é de GO) e eu tri empolgada... Ficamos, mas no dia seguinte ele disse que ele me curtia só como amiga mesmo. Eu tava chapada quando ele me disse isso e acho que foi até melhor assim, porque a sensação onírica faz parecer até hoje que aquela conversa foi só um pesadelo, foi uma das vezes eu eu mais chorei nos últimos 6 meses, porque eu realmente sou muito apegada nele. Entretanto, nunca esquecerei do dia eme que ele me mandou uma mensagem me dizendo "Cidade bonitinha essa, tô com uns amigos num barzinho aqui" e eu perguntei "qual barzinho?", pensando "nunca que vai ser um conhecido, porque POA é gigante e eu nem conheço muitos lugares legais", e quando ele respondeu, o "barzinho" era o bar onde eu compro meus cigarros e tomo meu café da manhã, ou janto de madrugada de vez em quando, praticamente AO LADO do meu prédio...

Enfim, quando eu comecei a trabalhar no restaurante, dois caras me chamaram a atenção: O VEN* e o RAS*, mas mais o VEN*, naquela época. Entretanto ele é meio tímido e não dava muitos indícios de querer ficar comigo. Uma noite saímos em uma galera e o RAS* deu em cima de mim afú, mas eu não quis ficar com ele por dois motivos: Eu queria mais o VEN* e o RAS* era casado. No fim, o VEN* me trouxe até a porta de casa e nem tentou me beijar. Eu fiquei tão frustrada, que na noite seguinte, quando saímos de novo, o RAS* nem tava mais por nada comigo, mas eu infernizei ele até que consegui ficar com ele. O casamento dele acabou por ele não ter ido pra casa naquela noite. Bem, na verdade foi mais um pretexto, porque ele já não aguentava mais a mulher. Acontece que o que me chamava atenção nele era justamente o jeito bohemio e faceiro e de quem não se apega, ou seja, eu não precisa me preocupar... Contrariando minhas expectativas, ele logo veio com um papo de querer algo mais sério e eu já falei que não. Aí, para aumentar a confusão da minha cabeça, ele me trocou por uma guria muito idiota e eu fiquei me perguntando porque ele tinha se afastado de mim até conseguir descobrir, por fofocas, que ele estava com essa outra guria. Fiquei magoada na época, porque ele mal falava comigo, acho que por a guria ser muito ciumenta. No fim das contas, acabei ficando com o VEN* por um mês, mais ou menos, depois disso (e pasme, o VEN* era ex dessa outra guria idiota por quem o RAS* me trocou), mas aí o VEN* nunca tinha tempo pra mim, e nessas alturas eu já tava tão frustrada com tanta gente me dando pé na bunda que eu já tava querendo namorar, mesmo... Só que aí ele prometia que viria me ver, me ficava fazendo esperar até de madrugada pra depois dizer que não viria. Isso foi me dando raiva e foi quando eu conheci um amigo do GAB*, que vou chamar de AHU*, e aí começamos a ficar, eu terminei tudo com o VEN*, mas uns dois meses depois, quando as coisas começaram a ficar sérias demais com o AHU*, eu peguei repentinamente um nojo absurdo da cara dele, provavelmente pelo fato de que ele já tava querendo se mudar pra minha casa, e terminei tudo...

Aí, como o RAS* já não estava mais com a tal guria idiota, nós voltamos a ficar, mas meio que sigilosamente, a princípio, mas agora já tem um bocado de gente que sabe, só que agora ele mudou de emprego, e a gente só se vê uma vez por semana ou a cada duas semanas... E uns tempos atrás ele descobriu que a ex-mulher dele tá grávida e depois de ela fazer vários fiascos, inclusive ameaçando tirar a criança, ele voltou com ela, por isso não posso mandar msgs pro cel. dele ou aparecer na casa dele do nada, ou ter fotos com ele no face... Acho que ele não gosta mais dela, mas tem medo que ela faça alguma merda... Eu estou bem com isso, só quero tê-lo quando puder, eu não tenho necessidade de namorá-lo, apesar de que eu amo ele também... Mas é assim, nossa conexão é como uma linha fina, quase arrebentando, que pode se romper a qualquer momento e sempre que eu o vejo sei que pode ser a última vez e dói um pouco, mas eu acho que o amor é assim mesmo. "Se amas uma flor, não arranca-a da terra, pois ela morrerá e deixará de ser aquilo que tu ama. O amor está na admiração e não na posse." (Osho).

E, como eu disse que eu voltaria no assunto depois, o GEN* apareceu umas duas semanas atrás e veio falar comigo pelo Face, depois de um bom tempo. Disse que eu tinha parecido muito apegada e ele ficou assustado e por isso resolveu se afastar. Por fim ele meio que combinou de vir aqui em casa sábado passado, mas no fim desmarcou dizendo que tinha tido um imprevisto familiar. Eu não espero nada disso, mas se rolasse eu iria gostar ^^

Podem me achar muito estranha, mas pra mim, Amor e Sexo são duas coisas plenamente distintas que podem existira tão bem separadas quanto juntas, assim como acredito que se pode amar mais de uma pessoa ao mesmo tempo, sei lá, "Amor não se divide, se multiplica".

Esse é um resumo dos fatos mais importantes destes 13 meses que se passaram. Não citei todas as pessoas que passaram pela minha vida nesse tempo, nem todas as coisas que aconteceram, mas creio que as que mais me marcaram estão todas aí. Ah, também não posso deixar de mencionar a TAT*, que é atualmente minha melhor amiga e tem me apoiado este tempo todo, é alguém a quem eu também amo muito <3>

Comentários

  1. Nossa... Tá podendo hein? Até me perdi com tantas "siglas", hehehehe
    Enfim. Não vou falar muito a respeito dos relacionamentos, porque eu sou uma anta nesse aspecto.
    Agora, sobre as "dorgas"... Pó é foda mesmo.
    Mas, quando se trata do que vem da natureza (salvo raríssimas exceções), sem nenhuma alteração química... Realmente, é possível sentir essa conexão com o universo e uma mudança positiva no nível de consciência. Simplesmente maravilhoso e terapeutico. Aliás, maconha não deveria nem ser droga, na minha opinião.

    Beijinhos.
    Tenha um bom dia.

    ResponderExcluir
  2. Nossa, vc teve mais relacionamentos em 13 meses que eu tive na vida kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk, eu não sou muito ligada nisso tbm então, tanto faz....
    Quanto à maconha, beleza, mas fiquei preocupada com a cocaína, como vc disse vicia muito rápido, e eu não quero que nada de ruim te aconteça flor.
    Vê se se cuida hein? Bjooos!

    ResponderExcluir
  3. Caraca, Rose... Quanta cisa aconteceu, mas nao posso negar que adorei ler (dah uma sensacao de que nunca deixei de te ver...)
    Bem, eu parei de postar no Princess Anna ha algum tempo, e o unico que tenho agora eh esse literario... Mas, acredite, tambem aconteceu muita coisa na mnha vida nesse tempo todo, de repente faca um resumo por la no PA tambem, se arranjar tempo... Bom, mas se cuida com a cocaina, neh, flor...
    Eu te adoro... Cinderela

    ResponderExcluir
  4. Continue sempre em frente com objetivos bonitos e agradáveis para você. Um grande abraço.

    ResponderExcluir
  5. A única coisa ruim em fumar maconha é que da uma fome do caralho depois! haha

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixem seu cheirinho, princesas ♥

Postagens mais visitadas deste blog

30/04/17

02/12/2009

12/11/16